Total de visualizações de página

quarta-feira, 13 de junho de 2012

MINHA LAGOA AZUL DE CÉU

Minhas Fotos - 2012



Criança tem mesmo algumas coisas muito esquisitas! Diferentes!
Quando eu era pequena, naqueles dias de verão em que ocorrem aquelas pancadas de chuva, e logo depois o sol volta a brilhar, eu e meus irmãos  saiamos para brincar.
Nas laterais das estradas de terra formavam   fendas ( valetas ).
A água da chuva transformava as valetas num longo e  lindo riacho, com pequenas cachoeiras!
Andávamos quilômetros por dentro da água, imaginando estar navegando num enorme rio. A pele dos pés ficava enrugada!

Quando eu encontrava uma poça d’agua, ficava na borda olhando para o centro onde refletia o azul do céu.
Então,  num passe de mágica aquela pequena poça, transformava-se num lago enorme!
Imaginava, (ou acreditava ) que o   lago era sem fim! Sem fundo! E  se eu caísse dentro, não sairia nunca mais! Ou ficaria caindo para sempre! Numa queda interminável!

O mais incrível, é que eu entrava num estado de transe, (não sei se é essa a palavra),  olhando fixamente  a “imensidão” azul, que na verdade, não passava de  poucos centímetros.
As pequenas lagoas azuis de céu me hipnotizavam!
Eu achava um jeito,  me separava dos meus irmãos e  de meus amigos para ficar “encantada” !
Isso durou muitos e muitos verões! 

Numa dessas ocasiões, lá estava eu em prantos a margem de minha lagoa encantada, quando minha mãe foi ver o que estava acontecendo.
Nunca consegui explicar para minha mãe!
Então, ela observou minha lagoa, olhou, olhou, pois imaginou que pudesse ter algum “bicho” dentro d’agua.
Perguntou do que eu estava com medo?
Eu soluçando, apontava o dedinho para a água. Minha mãe segurou minha mão, e colocou os pés na pequena  poça.

Então, minha lagoa azul de céu se encheu de ondas revoltas, que batiam nos tornozelos  de minha mãe, tentando expulsá-la.
O lindo azul de céu transformou-se!  A água ficou lamacenta! E o encanto acabou!

Nunca mais minha lagoa azul de céu me encantou!
Porém, até hoje quando chove em dias de verão, procuro discretamente uma poça d’agua na esperança de descobrir  o “ser” que me encantava!
Na minha lagoa azul de céu!

Beijos!
Tenham um lindo dia!
Jossara Bes.

6 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. IDERVAL TENÓRIO13 de junho de 2012 20:13
    Esta tal de infância e quando cheia de felicidades faz parte do alicerce seguro de um ser humano . Como uma infância farta alimenta uma vida por toda a sua existência. Belo o seu relato,bela essa sua infância,bela essa sua vida. Na minha infância muitos foram os banhos de chuvas e muitas foram a poças dágua como um grande espelho refletir o céu e vida.Parabens e continue documentando os belos momentos da vida.

    ResponderExcluir
  3. Olá! Jossara...
    Fizeste-me recordar os meus tempos de infancia...
    Quando eu tinha os meus 7 ou 8 anitos, ía para a escola e sempre que via uma poça de água, lá ía eu molhar os pés, fosse de Inverno ou fosse Outono ou Primavera (aqui, no Algarve, não chove no Verão).
    AH! QUE SAUDADES DESSE TEMPO.
    Beijo

    ResponderExcluir
  4. que outras lagoas te encante jos-sara. que outras lagoas conquistem sua imaginaçao. abraços lamarque

    ResponderExcluir
  5. Oi Jossara,
    Eu tb caminhava na enxurrada, mas escondida de minha mãe, pois ela falava dos micróbios, bactérias e todas aquelas coisas assustadoras. Nunca vi lagoas, acho que era menos romântica do que vc, mas colocava barquinhos de papel na enxurrada para v~e-los serem levados pelas águas.
    Beijos 1000 e um restinho de semana maravilhoso para vc.

    www.gosto-disto.com

    ResponderExcluir
  6. Olá Jossara.

    “Criança tem mesmo algumas coisas muito esquisitas”. De fato: Tem encantamento, poesia, magia, imaginação, sonho, fantasia... Depois crescemos e ficamos esquisitamente desencantados.

    Um abração e bom final de semana..

    ResponderExcluir